Imprimir

Sindjuf-PA/AP discute Reforma da Previdência em evento comemorativo aos seus 20 anos

Publicado em Destaque

Foi debatendo a Reforma da Previdência que o Sindjuf-PA/AP e a sua categoria comemoraram os 20 anos de existência da entidade. O evento com o tema “Reforma da Previdência: Dialogando com parlamentares” aconteceu na última sexta-feira (02/02), na Belém Hall Eventos.

 

Apesar de fazer convite a todos os parlamentares da bancada paraense apenas o senador Paulo Rocha (PT) compareceu ao evento e dialogou sobre o projeto ao lado de dos outros convidados, o presidente do Sindifisco Pará, Antônio Carlos Catete e o professor doutor em economia, Cláudio Puty.

 

Senador Paulo Rocha

Em sua fala, o Senador Paulo Rocha falou sobre a criação da CLT, sancionada pelo presidente Getúlio Vargas em 1943. Paulo Rocha lembrou que Getúlio Vargas ficou conhecido como o Pai dos pobres e a mãe dos ricos, pois passava a imagem de que estava ajudando a classe trabalhadora através da CLT, porém através dessas concessões conseguiu colocar os sindicatos em suas mãos, podendo intermediar muitas vezes em favor da classe empregadora.

O Senador também lembrou a luta dos servidores públicos pelo direito de greve e parabenizou o Sindicato pelos seus 20 anos. Sobre a Reforma, o Senador disse que a classe trabalhadora deve pressionar e cobrar uma posição dos parlamentares. Sugeriu que as entidades editem materiais com os contatos dos parlamentares para que a pressão seja feita também nesses meios.

Paulo Rocha também disse que os servidores públicos deveriam levar em conta a correlação de forças no Congresso e sugeriu que os sindicatos definam como meta eleger representantes da categoria para atuar politicamente.

Ao final da sua fala, o Senador citou um conhecido provérbio popular “se correr, o bicho pega, se ficar, o bicho come” adaptando a frase para: “SE CORRER, O BICHO PEGA, SE FICAR, O BICHO COME, MAS SE UNIR O BICHO FOGE”, lembrando da importância da união entre a classe trabalhadora.  

Carlos Catete

O Presidente do Sindifisco Pará, Carlos Catete, falou que de acordo com um estudo feito pela Igeprev (Instituto de Gestão Previdenciária), se bem administrada e se não houver saída para outros fins, a Previdência Social deveria ser superavitária até 2091. Porém, o desvio de recursos para a Desvinculação de Receitas da União (DRU) e benefícios sociais são as principais causas apontadas.

Catete sugeriu que o primeiro passo é barrar a Reforma e depois realizar um estudo técnico sobre o tema e uma reforma fiscal.

O presidente falou também sobre a Lei Kandir, que proíbe a incidência do ICMS em operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação. A Lei Kandir é um dos programas de incentivo que reduz a carga tributária de empresa. Enquanto o cidadão comum arrecada cerca de 50% em impostos, as grandes empresas como a vale arrecadam apenas 2%.

Cláudio Puty

O Doutor em economia, Professor Cláudio Puty, apresentou os dados de um estudo de auditoria realizado em parceria com a Anfip com o objetivo de compreender os cálculos feitos pelo governo, que defende o déficit da Previdência.

Puty apresentou informações que mostraram que até 2015 havia um superávit na previdência, porém em 2017 ela entrou em déficit, com a crise financeira.

O professor falou que a lógica do governo, defendida inclusive pelo atual ministro da fazenda, Henrique Meirelles, é de que a retomada de crescimento do país pressupõe ajuste fiscal.

Segundo Puty, boa parte dos benefícios vão para trabalhadores assalariados e não atinge os ricos e para chegar até déficit o governo pressupõe um crescimento irreal do salário mínimo, gerando uma elevação nas projeções.  

Sindjuf-PA/AP 20 anos de unificação

Para o evento, o Sindicato reservou uma mesa especial em alusão aos seus 20 anos e convidou alguns dos seus fundadores, que falaram sobre a experiência relativa a unificação da categoria. Os convidados da mesa “Sindjuf-PA/AP: 20 anos de unificação”, foram: Ribamar França, Waldson Silva, Adélia Mercês, Marco Antônio Cardoso, Aluízio Silva, acompanhados dos coordenadores do Sindicato, Jacqueline de Almeida, Ângelo Passos e Antônio da Mota.

Os fundadores lembraram as principais dificuldades e lutas dos servidores até os dias atuais. Eles também lembraram companheiros falecidos que também construíram a luta da categoria.

Na ocasião, o sindicalizado Ribamar França Silva, ex-coordenador da entidade, entregou a coordenação, para compor o acervo do Sindicato, a sua pesquisa de pós-graduação, baseada na história do Sindjuf-PA/Ap.

Conversando com os parlamentares do Amapá

O evento com a mesma proposta será realizado junto a categoria de Macapá no dia 08 de fevereiro, às 16h, no auditório do TRE-AP.

 

 

Comentários   

 
#1 Ribamar 07-02-2018 16:10
E assim construiremos a luta, com unidade e objetivos bem claros
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Full Reviw on best bokkmakers by http://artbetting.net/
Download Premium Templates
Bookmaker No1 in The UK - William Hill by w.artbetting.net