Reunidos em assembleia setorial, nesta quarta-feira (17), os servidores da Justiça Eleitoral do Pará manifestaram-se por meio de discursos carregados de indignação e preocupação com os rumos da LUTA no Judiciário Federal pela aprovação do PLC 28/2015. O projeto está pautado para ser votado na sessão plenária do Senado Federal do próximo dia 30 de junho e até o momento o Governo não sinalizou qualquer tipo de acordo para que o mesmo seja aprovado.

A indignação dos servidores é com o descaso do Ministro Ricardo Lewandowski, Presidente do STF e com o Governo Dilma que, mais uma vez, estão protelando a decisão de fechar um acordo que viabilize a aprovação e implementação do projeto que recompõe perdas salariais acumuladas desde 2006, quando foi aprovado o último Plano de Cargos e Salários da categoria.

Durante a assembleia, além da indignação com o STF e o Governo Dilma, ficou bastante clara a preocupação com a indiferença com que a maioria dos servidores das Justiças Eleitoral, Trabalhista e Federal, do Estado Pará, vem tratando essa luta que é de todos. Em tom de desabafo os servidores da base do Eleitoral disseram que é necessário maior empenho não só da Direção do Sindicato, mas também daqueles que ainda não se conscientizaram da importância desse momento para que o projeto possa ser votado, aprovado e implementado, nos moldes como foi aprovado nas comissões pelas quais já passou.

O debate foi muito proveitoso, pois ao final das discussões foi aprovada a formação de uma comissão de servidores da base que irá fazer mobilização nos locais de trabalho com o objetivo de sensibilizar os servidores para a gravidade da situação, mostrando que não temos outro caminho para conquistar a recomposição salarial a não ser a GREVE.

A comissão formada pelos servidores Valdízio, Alair, Omar, Maura e Francisco se reunirá amanhã, às 9h30, no Tribunal Regional Eleitoral do Pará, para reforçar os trabalhos de mobilização que deverá incluir, também, os servidores dos Cartórios Eleitorais. O sindicato, por meio de seus diretores, irá participar com toda logística necessária para que a comissão possa realizar esse difícil trabalho que é conseguir trazer os servidores para dentro da TRINCHEIRA DE LUTA. O importante dessa decisão dos companheiros do Eleitoral é que, apesar da apatia e comodismo da maioria, ainda temos um grupo que acredita na LUTA e não desiste dela.

No Amapá, os servidores do Eleitoral e Federal estão bastante mobilizados e em GREVE por tempo indeterminado. Na Justiça do Trabalho os servidores irão fazer uma assembleia setorial amanhã (18) para deliberar sobre a adesão ao movimento paredista.

Segundo o quadro da Greve Nacional, existem cerca de 17 Estados em Greve por tempo Indeterminado. Portanto, companheiros, está na hora de sairmos da nossa zona de conforto, de ficarmos atrás das mesas e computadores, cumprindo as metas que nos são impostas e que tem levado ao crescente adoecimento dos trabalhadores e trabalhadoras do Poder Judiciário Federal.

E que o temos recebido em troca do cumprimento das metas? O descaso do STF e do Governo Federal que estão novamente nos enrolando para no final nos darem qualquer migalha. Vamos aceitar migalhas? Então companheiros, o SINDJUF-PA/AP convoca mais uma vez a sua base, nas Justiças Eleitoral, Federal, Trabalhista e Militar para construirmos juntos uma GRANDE E FORTE GREVE e dizermos ao Ministro Lewandowisk e à Presidente Dilma que NÃO ACEITAMOS MIGALHAS e exigimos a nossa RECOMPOSIÇÃO SALARIAL JÁ!

Fonte: Imprensa SINDJUF-PA/AP