sábado, 24 setembro, 2022
spot_img

Mês de março começa com promessa de greve nacional em todo funcionalismo

Servidores intensificam pressão ao governo e movimento paredista ganha força; greve nacional poderá ocorrer  a partir do dia 23

Servidoras e servidores públicos representantes das três esferas se organizam para protagonizar uma grande greve geral neste mês de março. A decisão veio na segunda Plenária Nacional dos Servidores Públicos Federais ocorrida dia 23 de fevereiro.

Desde o mês de janeiro, o conjunto de servidores públicos busca diálogo com o governo que até o momento menospreza o pleito das categorias. Já são mais de quarenta dias sem nenhuma sinalização de resposta.

O desrespeito e o descaso governistas com as servidoras e servidores tem provocado crescente insatisfação. Reunidos na Plenária Nacional, os participantes defenderam o movimento paredista a iniciar-se dia 23.

Protocolada em janeiro, a pauta de reivindicação dos servidores pede recomposição salarial imediata referente às perdas inflacionárias do governo Bolsonaro, arquivamento da PEC 32, (reforma administrativa) e revogação da EC 95.

Novo ato unificado com paralisação está marcado para acontecer dia 16 em Brasília e também nos estados. Após o ato, o governo terá uma semana para se manifestar. Caso contrário, os servidores darão início a greve geral por tempo indeterminado.

A greve que já tem data para acontecer pode se tornar a maior no funcionalismo desde 2015. Trabalhadoras e trabalhadores da administração pública prometem não arrefecer da luta.

Em ano eleitoral, o presidente pode ter dado um tiro no pé ao destinar 1,7 bilhão de verba do orçamento de 2022 para reajuste apenas de servidores da área de segurança. Mesmo pressionado pelo restante das categorias do funcionalismo,o governo manteve a destinação.

No Planalto, especula-se que o governo continuará inerte até o final do mês de março.O silêncio é estratégico já que no início de abril, entram em vigor restrições da lei eleitoral (9.507/1997) que podem dificultar a concessão de aumentos. Nesse sentido, a greve é único recurso.

A legislação proíbe agentes públicos de fazer “revisão geral da remuneração dos servidores públicos que exceda a recomposição da perda de seu poder aquisitivo ao longo do ano da eleição”. Isso porque, segundo a lei, medidas como essas podem “afetar a igualdade de oportunidades entre candidatos”.

Calendário:

08/03 – Dia Internacional da Mulher – construção e participação nos atos nas cidades;

09/03 – Lançamento do Comando Nacional de Construção e Mobilização da Greve;

16/03 – Dia Nacional de Paralisação, Mobilização e Greve – com ato nacional em Brasília e atos em todo o país. Após esse dia, será dado o prazo de 7 dias para o governo negociar com os servidores, e caso o governo continue em silêncio:

23/03 – Início da Greve Nacional do Funcionalismo Público.

Joana Darc Melo, da Fenajufe

Foto/Crédito: FENAJUFE

Fonte: https://www.fenajufe.org.br/noticias/noticias-da-fenajufe/8634-mes-de-marco-comeca-com-promessa-de-greve-nacional-em-todo-funcionalismo

Latest Posts

spot_imgspot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

CADASTRE SEU EMAIL

PARA RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS DIARIAMENTE.