terça-feira, 25 janeiro, 2022
spot_img

Ômicron acelera média móvel de casos no Brasil, que é a maior desde julho

Em função do avanço da nova variante do coronavírus, nas últimas 24 horas o país registrou mais de 87 mil novos casos de covid-19

São Paulo – Com o avanço acelerado do contágio pela variante ômicron do novo coronavírus, nesta quarta-feira (12) o Brasil registrou 87.471 novos casos de covid-19 em um período de 24 horas. A média móvel de diagnósticos nos últimos sete dias chega a 52.261 por dia. Trata-se do maior índice desde 1º de julho do ano passado (quando estava em 54.117). Por outro lado, no mesmo período, foram 133 óbitos registrados oficialmente. Ao todo, o país registra oficialmente 620.371 vítimas da doença, desde o início da pandemia. Os casos somam mais de 22,7 milhões ( 22.716.931). A coleta de dados é feita pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass).

Com média de 123 óbitos diários nos últimos sete dias, também houve um ligeiro aumento na média móvel de mortes. É o maior número desde 19 de dezembro, quando essa média estava em 139 falecimentos por dia. Contudo, no último mês, os números não são precisos, em função do apagão de dados do Ministério da Saúde no último mês.

Esses números devem ser ainda maiores, segundo especialistas. Isso porque faltam testes suficientes, no sistema público, nas principais capitais do país, com longas filas para realizar o procedimento.

Na saúde privada, a situação também é crítica. De acordo com a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), faltam insumos para a realização dos testes RT-PCR – que identificam o material genético do vírus – e os testes de antígeno – que detectam proteínas ligadas ao coronavírus. A recomendação é que os testes sejam priorizados para pacientes graves, pessoas do grupo de risco e profissionais da saúde.

Risco de colapso

Do ponto de vista individual, indícios apontam que a ômicron provoca casos menos graves da doença. Isso também se dá, principalmente, por contado avanço da vacinação. Contudo, coletivamente, dada a sua elevada transmissibilidade, a explosão de novos casos começa a sobrecarregar os sistemas de saúde.

Além do aumento das internações em UTIs em diversos estados, as enfermarias também sofrem com o aumento da procura. Por outro lado, faltam profissionais de saúde, afastados por conta da contaminação pela doença. Nesse sentido, a médica intensivista e cardiologista Ludhmila Hajjar chegou a prever que, mantido o atual ritmo de contaminação, “em uma semana os sistemas de saúde deverão entrar em colapso no Brasil”.

“O aumento de hospitalizações que vemos subindo muito agora ainda são complicações dos casos ali ao redor do Natal. Ainda não vimos as hospitalizações de quem pegou ômicron no Ano Novo, muito menos nos últimos dias com recordes de casos”, alertou o biólogo e divulgador científico Atila Iamarino.

Foto/Crédito: kjpargeter / Freepik (imagem licenciável)

Fonte: https://www.redebrasilatual.com.br/saude-e-ciencia/2022/01/omicron-acelera-media-movel-de-casos-de-covid-e-a-maior-desde-julho-no-brasil/

Latest Posts

spot_imgspot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

CADASTRE SEU EMAIL

PARA RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS DIARIAMENTE.