terça-feira, 16 agosto, 2022
spot_img

Vacina para crianças: em consulta pública, maioria é contra a exigência de prescrição médica

Ministério deverá fixar posição sobre o assunto nesta quarta (4), quando serão divulgados detalhes do processo

A consulta pública que o Ministério da Saúde (MS) vinha fazendo até o domingo (2) a respeito da vacinação de crianças contra a covid terminou com maioria de manifestações contrárias à exigência de prescrição médica no ato da imunização.

A informação veio à tona nesta terça (4), por meio da secretária extraordinária de Enfrentamento à Covid do MS, Rosana Leite de Melo. Os detalhes do resultado final do processo serão divulgados pela pasta nesta quarta (5), quando o MS deverá ainda fixar uma “decisão terminativa” sobre o assunto, conforme foi sinalizado na segunda (3) pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

“Tivemos 99.309 pessoas que participaram neste curto intervalo de tempo em que o documento esteve para consulta pública, sendo que a maioria se mostrou concordante com a não compulsoriedade da vacinação e a priorização das crianças com comorbidade. A maioria foi contrária à obrigatoriedade da prescrição médica no ato de vacinação”, afirmou Rosana Melo nesta terça.

A consulta contou com cerca de 100 mil participantes opinando sobre o tema, que ganhou status de polêmica por conta de discussões levantadas pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) e aliados negacionistas, que questionam a segurança dos imunizantes.

Diferentes pesquisas ao redor do mundo têm sinalizado que as vacinas são seguras para serem aplicadas na população. Por conta disso, pediatras e infectologistas brasileiros se manifestaram favoravelmente à imunização de crianças de 5 a 11 anos contra a covid quando, em dezembro, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o uso da vacina da Pfizer para esse público.

A imunização dessa faixa etária já foi liberada em pelo menos 39 países do mundo, como Alemanha, Bélgica, Áustria, Dinamarca, Espanha, França, Grécia, Finlândia, Reino Unido, Portugal, entre outros.

No Brasil, o Ministério da Saúde pretende orientar as famílias a vacinarem crianças com idade entre 5 e 11 anos, desde que seja apresentado comprovante de prescrição médica e que haja a anuência dos pais. De acordo com Queiroga, haverá doses suficientes para todos.

Edição: Leandro Melito

Por Cristiane Sampaio / Brasil de Fato | Fortaleza (CE)
 
Foto/Crédito: Jefferson Peixoto/Secom (FOTOS PÚBLICAS)
 
 

Latest Posts

spot_imgspot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

CADASTRE SEU EMAIL

PARA RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS DIARIAMENTE.