Servidores da Justiça Eleitoral do Pará paralisaram novamente suas atividades hoje (16). O ato aconteceu em frente a Central de Atendimento ao Eleitor (CAE), no bairro da Pedreira e suspendeu o atendimento ao público na CAE e Cartórios Eleitorais.  Com a paralisação os servidores pretendem fortalecer o movimento grevista nacional que iniciou em maio passado e tem como objetivo pressionar a Presidente Dilma a sancionar o PLC 28/2015. No Pará, o calendário de luta prevê greve por tempo indeterminado a partir de 20 de julho de 2015. No Amapá os servidores da Justiça Federal que estão em greve por tempo indeterminado desde maio, continuam o movimento paredista.

Durante o ato os servidores foram informados pela coordenação do Sindicato de que o Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, mantém a postura omissa em relação a sanção do PLC 28/2015. Segundo a coordenação do Sindicato essa postura foi confirmada durante a reunião da Fenajufe com o diretor-geral do STF, Amarildo Vieira, que aconteceu ontem (15).

“O Supremo jogou a toalha. O ministro Lewandowski desistiu do projeto”, interpretou a coordenação do Sindicato. Essa atitude do ministro em silenciar diante da situação de possível veto presidencial ao PLC 28 já foi objeto de uma moção de repúdio aprovada no dia 8/7, durante a paralisação de 24 horas.

Segundo os servidores existe a necessidade de unidade entre os grevistas das bases do Pará e do Amapá, com isso, a categoria aprovou a proposta de eleição de representantes do movimento grevista para irem até Brasília participar das reuniões do Comando de Greve Nacional.

Os servidores aprovaram também a criação de uma comissão responsável por fazer a mobilização junto aos parlamentares, em favor da sanção do projeto. Amanhã (17), os servidores voltam a paralisar suas atividades, com concentração na sede do TRE-PA, em Belém, a partir das 8 horas. 

Fonte: Imprensa Sindjuf-PA/AP