Responsável por demonstrar à sociedade a segurança e confiabilidade das urnas eletrônicas, a Comissão de Auditoria das Urnas Eletrônicas no Amapá já iniciou seus trabalhos para as eleições de 2020, porém, em decorrência da pandemia, o grupo teve que passar por algumas adaptações em face do atual cenário, de modo a adequar os trabalhos, de forma a garantir a preservação da saúde dos envolvidos.

Uma das primeiras medidas tomadas pela Presidente da Comissão foi reunir-se com os demais membros, para definir a melhor forma de operacionalização dos trabalhos e garantir que as atividades sejam adequadas às medidas de segurança sanitária, consequentemente, foi acordado que todas as reuniões sejam realizadas de forma virtual.

A Presidente da Comissão, a juíza de direito e presidente da “Votação Paralela”, a Dra. Alaíde Maria de Paula, disse que tudo está diferente daquilo que estávamos acostumados, mas que com a tecnologia muitas atividades se tornaram possíveis mesmo em períodos de isolamento.

“Nós não vamos nos reunir pessoalmente. Nós já estamos nos organizando para fazer todas as reuniões com a presença de partidos, entidades, uma parcela da sociedade e a imprensa através de videoconferência. Está tudo organizado e isso já é uma forma de nos preservar”, conta a juíza.

Cuidados no dia da votação

Além de auditar as urnas, a Comissão estuda condutas que devem ser implementadas para garantir as medidas de adequação à nova realidade imposta pela Pandemia da Covid-19.

“No dia da votação presencial, nós vamos adotar todos os procedimentos que são recomendados pelos órgãos de saúde. Tudo será observado. Vamos trabalhar com o limite da capacidade de pessoas e com o distanciamento recomendado. Nós vamos pautar a nossa conduta nos dois dias de eleições de acordo com os decretos governamentais com o objetivo de preservar a saúde de quem vai trabalhar durante as eleições e de quem irá votar”, afirmou a Dra. Alaíde.

Transparência

A Comissão busca manter a maior transparência possível para que os eleitores se tranquilizem quanto a segurança das urnas eletrônicas, que inclusive foi a pouco tempo alvo de questionamentos.

“Muito se fala sobre uma possível fraude, mas nunca se provou que há fraude nas urnas eletrônicas, então o que eu tenho a dizer é que confie na justiça eleitoral, porque o sistema tem demonstrado ser seguro. ”, afirma a juíza.

A Comissão é composta por pessoas com ampla experiência na organização de eleições. A auditagem realizada pela Comissão será divulgada ao vivo através do YouTube para que toda a população possa acompanhar os trabalhos.