Apesar de não ter prazo definido para retorno das atividades presenciais, o TRT8ª já estuda alternativas para as Varas dos interiores que funcionam em locais que não correspondem às exigências sanitárias para prevenir possíveis contaminações pelo Covid-19.

Após alertas feitas por servidores constatou-se que prédios onde funcionam algumas Varas dos interiores não possuem condições adequadas para retorno das atividades presenciais, já que são locais com pouca circulação de ar, uma das exigências dos protocolos sanitários para a retomada segura das atividades presenciais.

O Tribunal se comprometeu a fazer um mapeamento das varas que se encontram nestas condições.

Uma das alternativas previstas pelo Órgão é buscar espaços cedidos que apresentam condições para que os servidores realizem seu trabalho de maneira a minimizar o risco.

Quando estiver estabelecido a data de retorno, a previsão é que as Varas da Capital paraense voltem a funcionar por escala. Apenas 10 varas irão funcionar por dia, para evitar a aglomeração no prédio.

O Tribunal também já está providenciando a sanitização dos espaços, a aquisição de máscaras, face shield, álcool em gel e aparadores de acrílico que serão utilizados durante as audiências presenciais, que também só acontecerão em casos excepcionais, como em audiências que exigem provas testemunhais, nos casos em que as partes não têm acesso a computador, se o advogado peticionar ou em outros casos a ser analisado pelo juízo competente, explicou a Exma. Des. Vice-presidente Dra. Mary Anne Medrado.