Uma pesquisa lançada pelo Sindjuf-PA/AP apontou aspectos sobre o teletrabalho realizado pelos servidores do PJU no Pará e Amapá durante o período de isolamento social causado pela pandemia do novo Coronavírus.

A pesquisa disponível em ambiente virtual conseguiu coletar as respostas de 84 servidores, tanto do estado do Pará como do Amapá.

O Sindicato perguntou ao entrevistado se ele recebeu apoio do órgão onde trabalha para desenvolver suas atividades laborais em casa.

51,2% responderam que SIM, receberam apoio da instituição, 48,8% disseram que NÃO receberam nenhuma ajuda.

Dos servidores que não receberam apoio da instituição, 3 eram do TRE-AP, 16 do TRE-PA, 12 do TRT 8.ª, 1 da 8.ª CJM, 7 da JF-PA e 2 da JF-AP.



Outra pergunta feita durante a entrevista foi se o entrevistado possuía em sua casa uma estrutura satisfatória que colaborasse com a realização do teletrabalho.

67,9% dos entrevistados disseram que possuíam em sua casa estrutura para desenvolver o trabalho, porém 32,1% disseram não ter esta mesma estrutura.



O Sindicato avaliou também que para 52,4% dos entrevistados, a carga de trabalho continuou sendo a mesma, enquanto para 47,6% as demandas aumentaram.



O Sindicato selecionou algumas justificativas apresentadas pelos servidores sobre o aumento das demandas:

— A chefia enviava demandas fora do expediente regular, inclusive, aos finais de semana e feriados;

— Alguns servidores precisaram acumular trabalho, pois nem todos os seus colegas conseguiram se adaptar ao teletrabalho;

— Servidores relataram acreditar que por estar em casa teriam a obrigação de aumentar as metas

— Servidores relataram que enquanto havia demandas, adiantavam o trabalho sem seguir o expediente regular, acabando assim ultrapassando o horário de trabalho.

— Aumento do trabalho doméstico, e dificuldade para conciliar com o trabalho remunerado.

O Sindicato aproveitou para perguntar se o entrevistado se sentia mais cansado ou estressado com o trabalho realizado em casa.

65,5% disseram que não se sentiam mais cansados ou estressados por estar em teletrabalho, porém 34,5% disseram que estavam se sentindo nessa condição. As mulheres foram as que relataram sentir maior sobrecarga e estresse durante o teletrabalho. Vinte e uma mulheres relataram estar nesta condição, enquanto apenas 8 homens disseram se sentir mais sobrecarregados.

A pesquisa também perguntou se o entrevistado conseguia conciliar suas atividades domésticas com o teletrabalho.

84,5% disseram que SIM, que conseguiram conciliar as atividades, porém 15,5% disse que não conseguiu conciliar.

A pesquisa também mostrou que 65,5% dos entrevistados consideram permanecer desenvolvendo suas atividades laborais em teletrabalho após a pandemia, enquanto 34,5% não consideram esta possibilidade.



A pesquisa do Sindjuf-PA/AP foi realizada entre 19 de agosto a 4 de setembro, com 84 servidores do PJU no Pará e Amapá.