O Sindjuf-PA/AP ouviu e contribuiu com proposta em Fórum Virtual realizado pela Escola Judicial do TRT da 8.ª Região para elaboração de propostas que basearão o retorno seguro das atividades na Justiça do Trabalho da 8.ª Região pós-crise da Covid-19.

O Fórum, na última sexta-feira (3), em sala virtual, reuniu cerca de 149 espectadores e representantes com voz ativa do Ministério Público, OAB, AMATRA8ª, Corregedoria Regional, Assojaf-PA/AP e do Sindjuf-PA/AP representado pelo coordenador Geral Manoel Raimundo da Fonseca.

A reunião estava sob a supervisão da presidente do Tribunal, Desembargadora Pastora Leal que apresentou algumas primícias para o retorno seguro dos serviços no Regional.

O coordenador do Sindicato diz que Entidade irá contribuir com propostas que deverão ser formuladas com base em modelos que já estão sendo implementados, como é o caso do TRE Amapá. Para ele é preciso estabelecer protocolos que façam com que todos se sintam seguros, inclusive a população que acessa os serviços.

“É preciso que se analise como estão os servidores dentro dos prédios, se há possibilidade de se trabalhar em sistema de rodízio, se os elevadores comportam no máximo 4 ou 2 pessoas, se a higienização e sanitização será feita a contento, se a distribuição de equipamentos de proteção individual vai ficar por conta do servidor ou se o tribunal irá providenciar, tudo isso para que a volta seja realmente segura, para que todo mundo se sinta seguro, tanto os servidores, como a população. ”

Manoel Raimundo destacou a fala e presença do presidente da Assojaf Pará, o oficial de Justiça Renato Xerfan, que durante o Fórum expôs a vulnerabilidade dos oficiais de justiça que realizam atividades externas e internas e que estão mais expostos a doenças, por isso segundo o coordenador do Sindjuf-PA/AP o retorno deve ser gradual, programado, e rodeado de todas as normas de segurança.

“Todo mundo está preocupado. O Brasil é o segundo país com maior número de mortos e infectados, então a situação não é promissora. Então eles vão marcar uma data para voltar e essa data precisar estar cercada de todos esses cuidados. Cada associação presente, apresentou seus itens que acha interessante para que seja tornado seguro. Todo mundo tem que estar retomado de cuidado, não é um álcool em gel e uma máscara que vai te dar aquela capa protetora, pensando que vai sair e está todo mundo normal. “, analisou Manoel Raimundo.