Data sugerida em reunião ampliada do Fonasefe deve nortear as ações para o dia da classe trabalhadora; em Brasília haverá ato presencial na Esplanada dos Ministérios.

Em ano de pandemia, a classe trabalhadora remodela ações tradicionalmente executadas no dia 1º de maio. O dia mundial de luta das trabalhadoras e dos trabalhadores neste ano será marcado pelo número de mortes diárias que o país é obrigado a registrar desde o início da pandemia de Covid-19.

Em Brasília, várias atividades estão sendo construídas para a sexta feira (30), a serem realizadas em conjunto com as demais entidades dos servidores públicos que compõem o Fonasefe. A organização prevê ato presencial na Esplanada dos Ministérios e avaliam a viabilidade de uma passeata até o Palácio do Planalto. A marcha será também por vacinação em massa, pelo Sistema Único de Saúde,( SUS) contra a PEC 32 e pela valorização da classe trabalhadora como um todo

Trabalhadoras e trabalhadores vão levar para as ruas no dia 30, a insatisfação com a política de genocídio de Jair Bolsonaro que com seu negacionismo, contribuiu para a espantosa marca dos quase 400 mil brasileiros mortos por Covid-19. Nesse momento de crise sanitária, econômica e política é fundamental a unidade das categorias para repudiar o descaso e desrespeito do governo com a classe trabalhadora.

A classe que desde século passado luta por condições dignas de trabalho e melhores oportunidades salariais, vivem um dos piores momentos conjunturais do país. Além do desemprego, da realidade do subemprego, uberização e demais desmandos advindos com a reforma trabalhista, este ano enfrenta a pandemia do novo coronavírus que levou ao cancelamento de milhares de carteiras de trabalho e colocou outros tantos trabalhadores na informalidade.

Os servidores públicos convivem com insegurança laboral diante dos ataques do governo travestidos de reforma administrativa. Com a aprovação da PEC 32 vem perda de estabilidade, de salário e diminuição do estado com a precarização dos serviços. A Reforma administrativa anuncia o fim do funcionalismo e da cidadania ao impedir o acesso aos serviços da população que mais necessita. Manifestações contra tudo isso estarão acontecendo em todo o país nesta sexta feira.

Que o  dia 30 de abril , traga para o 1º de Maio, dia mundial de luta dos trabalhadores e das trabalhadoraso resgate da dignidade alcançada ao longo da história. Que os achaques governistas não impeçam o enfrentamento às retiradas de direitos, ao desemprego e às melhores condições laborais. Que a política de retrocesso seja e sempre será repudiada por todos os trabalhadores e as trabalhadoras. Vacinação para todas e todos é prioridade e direito da população.

Vale ressaltar que as atividades obedecerão as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS). O uso de àlcool em gel e máscaras será obrigatório, assim como o distanciamento social será mantido.

Fonte: Fenajufe