Vários servidores estão entrando em contato com o SINDJUF-PA/AP, informando que o TRE-PA vem flexibilizando as medidas de segurança contra a Covid-19. O descumprimento de protocolos sanitários vem gerando temor entre os trabalhadores.

Em meio ao crescimento de casos e mortes provocadas pela segunda onda de contaminações, os servidores enfrentam diariamente o medo de precisar trabalhar em um local em que a ameaça de contágio é constante devido à flexibilização de medidas de proteção.

Eles citam a realização de reuniões presenciais com até 30 pessoas, um desrespeito as recomendações de distanciamento social.

Outra preocupação dos servidores, é o início de obras para adequação dos espaços do Tribunal que provocará um aumento de fluxo de pessoas no prédio, que, aliás não se saberá se são portadoras ou não do vírus e que estarão circulando a todo momento entre as salas.

O pânico com medo de ser contaminado é grande, pois o Tribunal já registra casos de servidores que testaram positivo para a doença e alguns que evoluíram para internações.

O Sindicato já protocolou dois ofícios no TRE-PA, um solicitando audiência com o atual presidente, Desembargador Roberto Gonçalves de Moura e outro solicitando audiência com a vice-presidente, Desembargadora Luzia Nadja Guimarães Nascimento, que assumirá a presidência a partir do dia 25 deste mês. A intenção do Sindicato é que as ações de combate ao coronavírus no Tribunal sejam mantidas mesmo com a mudança na gestão.  

Servidores da Justiça do Trabalho também procuram o Sindicato

Os servidores do TRT8ª também vêm entrando em contato com o Sindicato em busca de uma intervenção para que o Tribunal tome providências para promover ações que diminuam os riscos de contaminações.

O Tribunal estabeleceu o retorno de 50% de servidores nas unidades judiciárias, porém, este é um retorno inseguro, já que segundo relatos, os servidores se submetem ao teste, mas voltam a trabalhar mesmo antes de saber o resultado. Esse protocolo vem gerando pânico entre o quadro funcional, depois que uma servidora se submeteu ao teste, retornou ao trabalho presencial e após alguns dias recebeu o resultado positivo. Um dos seus colegas de trabalho, que teve contato próximo a ela também testou positivo para a Covid-19.

O Sindicato através da sua assessoria jurídica também busca uma audiência com a presidência do TRT8ª em busca de medidas mais rígidas de combate ao contágio entre os servidores.