A Reunião do Sindjuf-PA/AP com seus representantes de base teve início na manhã desta sexta-feira (13) no Beira Rio Hotel. A liderança do Sindicato abriu o evento com a presença do Senador paraense Paulo Rocha, um dos parlamentares convidados e o único da bancada a comparecer ao evento.

Ao falar sobre conjuntura, o parlamentar apresentou um cenário de retrocessos e enfraquecimento da democracia. Paulo Rocha chamou atenção para a perda da democracia, já que foi através desse processo que a classe trabalhadora conquistou direitos.

“Tudo o que nós conquistamos está indo para o ralo, sejam as políticas públicas, sociais, etc. Estamos vivendo um período muito difícil no nosso pais, problemas econômicos, políticos, inclusive na democracia. Esse é um cenário que dá brecha para governos autoritários”, afirmou o Senador.  

Para o parlamentar a democracia proporcionou aos pobres ocuparem e vislumbrarem espaços que antes eram dominados pela elite do país. Paulo Rocha relembrou que determinadas políticas públicas foram construídas baseadas nesse processo de igualdade, como o programa “Luz para todos” e “Mais Universidade”.

“Não tem saída, se não for através da democracia não há representação. O filho do trabalhador, do pobre, tem que ocupar os espaços que são dominados pela elite. A Elite está retomando o poder de uma maneira sofisticada. ”

O Senador falou da concentração de riquezas e das distorções proporcionadas por ela. Segundo ele, uma reforma tributária precisa corrigir as desigualdades e implementar um sistema justo.

Para o parlamentar há uma inversão de valores. As atuais reformas criam uma ideologia, de que trabalhadores estão em uma posição favorável, enquanto que os empresários não podem gerar desenvolvimento porque não possuem incentivos.

“Vai ver o que ele (empresário) tem acumulando em cima da exploração dos trabalhadores e da sonegação de impostos?”, provocou o Senador.